Propostas foram discutidas durante o I Simpósio da ABIPTI, que ocorreu entre os dias 16 e 17 de maio, no campus da Unit, em Aracaju

Evento foi realizado no campus da Unit, em Aracaju (Fotos: ITP)

Representantes do o Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS) participaram, nos dias 16 e 17 de maio, do I Simpósio da Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI), que ocorreu no campus da Universidade Tiradentes (UNIT), em Aracaju. No evento, que traz o tema “Os Rumos da Pesquisa Tecnológica Brasileira”, o ITPS se reuniu com diversas instituições de ciência e tecnologia do país, debateu as necessidades do setor e sugeriu ações e políticas para o desenvolvimento científico do Brasil.

O Simpósio é uma iniciativa da ABIPTI, entidade com 41 anos de existência, que representa os principais institutos de tecnologia do país. O ITPS é um dos sócios-fundadores da associação, tendo ocupado a presidência e também a vice-presidência pela região Nordeste, função esta atualmente ocupada por outra grande instituição de Sergipe, o Instituto de Tecnologia e Pesquisa, que é vinculado à Unit.

Kaká Andrade, diretor-presidente do ITPS

“Para nós, é um grande orgulho fazer parte desse evento e recebê-lo aqui em Sergipe. Daqui, sairá a Carta de Aracaju, um documento com propostas para o desenvolvimento da ciência e tecnologia no nosso país. O objetivo é que essa carta seja encaminhada aos candidatos à presidência e que eles levem em consideração, no momento de formular seus planos de governo, as políticas de fomento à pesquisa no Brasil”, destaca o diretor-presidente do ITPS, Kaká Andrade.

De acordo com o gestor, as instituições de ciência e tecnologia têm o desafio de demonstrar que a ciência está diretamente ligada ao desenvolvimento do país. “Eu digo sempre que um país não é desenvolvido, se não tiver como base a ciência, a tecnologia e a inovação. É preciso que demonstremos, sobretudo em eventos como esse, a importância da ciência para o desenvolvimento social e econômico de um país. Recentemente, com a pandemia provocada pela covid-19, percebemos como o Brasil e outros países, ficaram dependentes de tecnologia externa, o que evidenciou ainda mais, a necessidade de conscientizarmos a classe política brasileira”, comenta.

Representantes do ITPS no I Simpósio da ABIPTI

O presidente da ABIPTI, doutor Paulo Foina, acrescenta que o propósito evento é levantar questões que possam alavancar o ambiente de pesquisa tecnológica e inovação no Brasil, em um ambiente mais leve, ágil e que atenda as reais necessidades brasileiras.

“A carta tem duas partes. A primeira mostra o contexto em que a tecnologia brasileira vive hoje. A segunda parte levanta demandas sobre o que precisamos para ter um ambiente adequado. Precisamos de uma política tecnológica para atender a uma política industrial, para ter para atender uma necessidade de desenvolvimento socioeconômico. Sem isso, fica difícil encontrarmos um caminho correto do investimento em tecnologia. O foco não é no hoje. É preciso saber onde o Brasil quer estar nos próximos dez anos”, ressalta.

“Como nós sabemos, o nosso país é continental e, em consequência disso, temos muitas assimetrias dentro de diversas áreas. Na ciência, na tecnologia e Inovação não é diferente. Então, trazer a ABIPTI e o primeiro simpósio para o Nordeste é dar visibilidade a questões peculiares regionais, mas sem deixar de olhar para o aspecto nacional. Estamos discutindo ações e propondo iniciativas – nacionais e internacionais – com foco nas necessidades atuais e um planejamento para os próximos cinco anos”, destaca doutor Diego Menezes, presidente do ITP, Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unit e Vice-Presidente da ABIPTI da região Nordeste.

Também participaram do evento, a diretora técnica do ITPS, Lúcia Calumby; o assessor geral de Planejamento, Marcus Sândalo; a coordenadora do Laboratório de Microbiologia, Dra. Rejane Batista; a coordenadora substituta do Laboratório de Química de Água, Claudia Xavier; a coordenadora do Laboratório de Ensaios Inorgânicos, Carolina Mangieri; a gerente de Atividades Técnicas, Ana Virgínia Figueiredo; e a gerente de Projetos e Convênios, Ana Carolina Cardoso.

Por Verlane Estácio com informações do ITP

Atualizado: